top of page

Visita de estudo ao Teatro e ao Museu, da sátira à arte!


Na passada terça-feira, dia 30 de janeiro de 2024, os alunos das turmas do 9º ano realizaram uma visita de estudo ao Porto, com o intuito de assistir a uma peça de teatro sobre o Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente, e visitar o Museu Soares dos Reis.

Os estudantes, distribuídos pelos autocarros, foram chegando ao Teatro Sá da Bandeira, onde todos esperaram até entrarem. No Teatro Sá da Bandeira, a sala mais antiga com atividade contínua é também conhecida pela sua beleza e o seu interior surpreendeu os alunos que nele entravam, desde as paredes e as máscaras, com as diferentes expressões, até aos camarotes e à sua dimensão. Por turmas, sentaram-se e esperaram o início do teatro, posto em cena pelo grupo Teatro Actus, numa adaptação do Auto da Barca do Inferno. 

Foi magistral!

As personagens foram apresentadas com trajes atuais, de forma a diminuir o distanciamento provocado pelo linguajar vicentino e a facilitar a identificação com o espectador. Os adereços de cada personagem eram parte de jogos cénicos que visavam proporcionar uma melhor compreensão do sentido do texto. O exagero nas dimensões de alguns adereços, a deturpação da função que lhes foi atribuída, tudo serviu para elucidar as intenções do autor e sublinhar as suas críticas sociais. O Parvo vestiu uma roupa demasiado grande, quase uma camisa de forças; o Onzeneiro carregou um bolsão gigante e a corda do Enforcado era do tamanho do palco. Para concluir, eles explicaram a atualidade e a importância do Auto de Gil Vicente. “O tempo, no teatro, foge ao seu sentido arqueológico”. O tempo que Gil Vicente pôs em marcha com o Auto da Barca do Inferno não pertenceu apenas ao século XVI, mas atravessa todas as épocas. Acredita-se que aqueles dois juízes, aqueles “pescadores de almas”, o  Anjo e o Diabo, estarão à espera para apontar defeitos e virtudes, erros e boas ações.

Os alunos, após a atuação, ficaram a compreender muito melhor o Auto, anteriormente já estudado na aula de português.

Após a saída do teatro, os alunos dirigiram-se até aos jardins do Palácio de Cristal, para almoçar e conviver um pouco. Alguns aproveitaram o tempo para ir para o parque e outros para ver a exposição que existia na Biblioteca Municipal Almeida Garrett, entre outras coisas.

De seguida, deslocaram-se para o Museu Soares dos Reis onde os alunos ficaram a conhecer o espaço e um percurso de quase 200 anos através da história do museu. A exposição de longa duração permitiu, assim, uma visão global do Museu Soares dos Reis em duas narrativas complementares: a primeira refletiu a sua história e a forma como as coleções foram sendo integradas e a segunda valorizou os artistas e as suas obras. Foi um convite à apreciação das obras icónicas de sempre e uma oportunidade de vislumbrar novas descobertas num espaço único que é de todos e para todos.

Por fim, os alunos voltaram para o Palácio de Cristal para lanchar.

Foi um dia de novas experiências e também de aprendizagem.

Um lugar é essencial para o conhecimento, um lugar é especial para o lazer, permite a descoberta, o questionamento, é um lugar para as pessoas…
Deixando uma frase do lema do Museu, “Um museu de pessoas, por pessoas para pessoas”!

 

Leonor Silva 9ºA

 


 

86 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page